28 de agosto de 2005

Esperando a ceifadeira

Meia noite e um? Dois? Por volta desse horário ela sempre surge nos fundos. A velha. Semi-careca. Corcunda. Recolhe as roupas do varal. Mas hoje... Gritos do lado de fora! Afoita, larga as roupas. Estica-se para melhor enxergar a rua. Olhos sedentos por um Gran Finale da opereta bufa, sua vida. Quisera fosse um atentado violento ao pudor. Um homem, com o falo erguido, apontando para as estrelas, desafiando divindades com subversivo empunhar de espada. A donzela engolindo gemidos, entre desejosa e apavorada. Ou um assassinato? Um grito lúgubre, como um guinchar de clarineta, dissecando a carne esponjosa da madrugada. Um som tingindo de vermelho vívido seus anos cinzentos? Quisera fosse majestoso fato, suficientemente majestoso para justificar o desleixo de largar suas calcinhas à reprimenda dos olhares alheios. Calcinhas abandonadas numa bacia metálica, opaca. Amassadas, encardidas, descosidas. Mas os gritos... apenas lixeiros. Lixeiros! O olhar despenca. O corpo encurva-se novamente, desaparecendo no breu com a bacia nas mãos. Lá dentro, as luzes. Apagam-se. Ela deve estar se deitando. Frustrada, aguarda a ceifadeira das almas. Sem esperança de que um grande fato ocorra, planeja ir à feira. Amanhã.

3 comentários:

Bbel disse...

Caro amigo, Filho dum Sino
Homem mais oferecido que esse até hoje nunca vi... Onde já se viu? [rs] Eu ia responder faz tempo, mas fiquei entre uma coisa e outra e deixei você pra depois. Eita que maldade, ou seria falta de prestígio? [rs] Menino, você não existe, é coisa inventada mesmo! Se avexe não que vamos pensar numa possibilidade, visse? Deixa comigo que eu vou fazer um quartinho bem aconchegante nos fundos de casa. As meninas e Ale ficam cá dentro, você fica na extensão recém-criada, ou melhor, futuramente. Brincadeira, não leve a sério isso aí, não! Na verdade, vou deixar você com Duda, ela é maravilhosa e vai cuidar bem de você. Ale a conhece, e nem vai ficar com ciúmes, pode ter certeza! O problema é que ela vai encher o quarto de terra, mania que ela tem, mas logo logo você se acostuma. Quem sabe não construam um castelo bem lindo de areia... Eu vou adorar, garanto que farei elogios pra você ficar envaidecido. Ela é um amor! Eu não entregaria você a mais ninguém. Você sabe que lhe quero muito bem, não é? Pois bem, creia que estará em ótimas mãos, ou patas, sei lá!
Estude bem muito, como dizia minha finada tia Julita, pra você virar gente!
E a praga que eu lhe jogo é: Tomara que você passe e ganhe bem muito dinheiro, visse?
Se você for um cavalheiro irá me desejar a mesma coisa! Eu disse “se”.
Eita que isso virou uma carta!

Cheiros a todos!

Bbel disse...

Tomara que essa velha careca vá assombrar você de noite, puxar seus cabelos, os poucos que lhe restam. A ceifadeira não, porque aí já era ser má demais, coisa que não sou. Tá vendo como sou sua amiga e lhe quero bem? [rs] Amor mais do que esse, só o de Ale, viu?
E eu sou sua amiga mais “boazinha” que existe nesse mundo todo!!!!!

Bbel disse...

Ei você ainda respira ou só conspira???

Dê um sinal de vida, ou como dizem por aqui... “Menino, se bole pro urubu saber que você tá vivo!! [rs]

Cheiros,