10 de junho de 2006

O manto sagrado

Em tempos remotos, nas longínquas montanhas de uma terra desconhecida, havia dois reinos: os acroftalmos, de visão perfeita e apurada, e os disoftalmos, todos afetados por uma espécie de síndrome de Dalton que lhes distorcia a percepção das cores. Ambos os povos descendiam de um único patriarca: o rei Arqueus, que tinha o olho direito perfeito e o olho esquerdo afetado pela disfunção.
Os dois reinos viviam em guerra, pois seus reis eram incapazes de chegar a um consenso quanto a uma antiga discórdia: qual a cor do manto sagrado do rei Arqueus? Para os acroftalmos, era roxa; para os disoftalmos, azul. Metade da população dos dois lados já havia sido dizimada na infindável guerra. Certo dia, naquela que seria a última batalha, os reis irascíveis digladiavam-se com furor, numa sucessão de urros – roxo, azul, roxo, azul -, quando pela estrada já tingida do rubro e espesso sangue, passou um velho viajante cego. Os reis interromperam o confronto e resolveram consultar o velho:
- Ei, velho! Segure este manto e diga-nos: é roxo ou azul?
O velho pegou o tecido, tateou-o por instantes, cheirou-o, na vã esperança de que isto pudesse lhe trazer alguma resposta. Depois de meditar, respondeu serenamente:
- Roxo, azul... pouco importa. É macio! Muito macio...
Os reis entreolharam-se envergonhados com suas brutalidades e simultaneamente exclamaram:
- É macio!
Estava selada a paz entre os dois reinos. O velho fora nomeado conselheiro e, durante anos, toda a região prosperou.
O menino de boa visão, por exemplo, trapaceava seu amigo daltônico:
- Aquela menina de vestido rosa quer seu beijo.
Lá ia o daltônico, feliz da vida, esticando os beiços para a moça de laranja e recebendo, em troca, uma medonha careta. Depois o amigo matreiro dizia:
- A de rosa, não a de laranja!
E o casal jovem se enamorava quando o rapaz dizia para a moça:
- Como são lindos os seus olhos verdes!
Tímida, a moça cochichava em seu ouvido:
- São azuis...
- Azuis, verdes... pouco importa. São lindos!
Mas eis que num dia escuro e nublado, o velho conselheiro faleceu. Todos formaram um longo cortejo acompanhando os reis, que carregavam o esquife. Quando chegaram à cova, o rei acroftalmo sugeriu ao outro:
- Cubramos nosso bom velho com o manto roxo de nosso antepassado!
- Sim, cubramos! Mas com o manto azul.
Reacendeu-se assim a discórdia. A guerra fora novamente declarada. Após alguns meses de duras batalhas, os dois povos chegaram ao completo extermínio. Nem as mulheres e crianças foram poupadas. Absortos em seu injustificável ódio recíproco, os reis e seus súditos estavam alheios a quão macio era o manto sagrado.