23 de agosto de 2012

Esculpir-se

Na taverna, enquanto bebia seu chá, o ancião observava uma discussão infértil entre um lenhador e um entalhador.
- Eu, lenhador, que forneço tua matéria-prima. Sem minha força, tua arte mergulha no vazio abissal, deixa de existir.
Ao que redarguiu o entalhador:
- Prescindo de lenha. Sem o lenhador, esculpo miríades de seres maravilhosos nas próprias árvores. Minha matéria-prima é a madeira e quem a fornece-me é a natureza.
Terminaram de beber seu vinho e decidiram procurar o ancião para superar o impasse. Disse o lenhador:
- Ei, velho! Pelos teus trajes e pela tua longa barba nota-se que és um daqueles sábios que vivem nas montanhas. Diga-nos qual é o mais nobre ofício: lenhar ou entalhar?
- O lenhador nos traz a lenha, que espanta o frio dos rigorosos invernos. A ele devemos nossa existência e nossa permanência nestas terras gélidas. O lenhador é um destruidor. Porém, ao destruir, também cria as condições das quais dependemos para sobreviver. Assim, o destruir do lenhador encerra um princípio criador.
Bebeu mais um gole do chá e prosseguiu:
- Mas alguma coisa impele o ser humano a transcender o mero existir. É imperioso que essa existência seja plena de sentido. Eis então que surge a arte para fertilizar o solo do existir. O entalhador, com sua habilidade e precisão, nos brinda com belas esculturas. O entalhador é um criador. Porém, ao criar, sua nobre arte ressoa tão profundamente na consciência daquele que a aprecia que provoca uma transformação. Essa transformação nada mais é do que a destruição do velho e pior para ceder espaço ao novo e melhor. Portanto, o criar do entalhador encerra um princípio destruidor.
O ancião fez uma pausa para terminar o chá. Todos os presentes já se aglomeravam em silêncio ao seu redor, para ouvir o ensinamento. Então ele concluiu:
- Percebam então, meus nobres jovens, que não há superioridade entre vocês dois. Há apenas complementação. O lenhador cria destruindo e o entalhador destrói criando. O que um de vocês faz encerra a semente do princípio predominante da ação do outro.
Impressionado com a sabedoria do asceta, o entalhador perguntou:
- O que fazes o tempo todo no topo da montanha para acumular tal conhecimento?
- Nada além do que você e o lenhador fazem aqui embaixo. Porém, aqui embaixo vocês estão todos separados. Lá em cima eu sou, ao mesmo tempo, lenhador e entalhador. Aqui, o lenhador e o machado são entes distintos. Lá, sou lenhador e machado. Aqui, o entalhador e a madeira não se confundem. Lá, sou entalhador e madeira. Assim, dia após dia, com a força e a disciplina do lenhador, obtenho de mim mesmo minha matéria-prima, ofereço-a a mim mesmo e, com a destreza do entalhador, esculpo-me.

Um comentário:

Kátia Medeiros disse...

Acredito que essa história retrata o momento em que vivemos uma tendência á superioridade de profissões, de saberes.
Penso no educador Paulo Freire, que valorizava os "saberes" do educando enquanto sujeito ativo na construção de conhecimento.
Seu saber pode não ser acadêmico, mas ainda assim é um saber que merecer respeito. Partir dele, inserir esse saber na escola e valorizá-lo como parte da sociedade é demonstrar que independentemente da profissão e do nível de escolarização de um sujeito, ele é tão importante quanto seu semelhante. Atenção: escrevi "Semelhante", ainda que vivamos em um mundo onde a marca é a diferença.